Meu reino por um mínimo de previsibilidade

Nós da Pyme não podemos prever o futuro, mas podemos planejá-lo para você.

Caros leitores, sejamos francos, não é nada fácil planejar negócios e investimentos nesta terra varonil. De fato não se trata de atividade fácil em nenhum lugar do mundo, mas é ainda mais complicado diante da dinâmica em que vivemos, com repentes, sustos recorrentes e mudanças repentinas que se sucedem.

A sugestão lúdica do título não vem por acaso. Ela sugere mais do que a importância que reputo ao processo de planejamento e prognóstico. Sugere a inviabilidade de um desenvolvimento que se sustente economicamente sem que se possa dispor de cenários projetáveis.

O fato é que a rotina do universo empresarial brasileiro é a própria e contundente imprevisibilidade. Para o bem ou para o mal, as alterações e ajustes em medidas oficiais repentinas sem garantia de continuidade e sustentação atrapalham, e muito, o processo de planejamento. E sem planejamento não existe competitividade que resista ao tempo revolto sem nenhuma biruta de orientação.

Digo para o bem, pois nos últimos anos uma série de medidas de desoneração tributária de orientação setorial foram implementadas, garantindo impacto direto na produção, nos lucros e no consequente consumo. Pode ser bom para os negócios já estabelecidos e em linha com o modelo produtivo que perpetramos. Já é alguma coisa. Mas convenhamos é apenas “alguma coisa”.

Mas tente, com esse cenário, sugerir o desenvolvimento de tecnologia própria sensível e de alta relevância, ou mesmo o desembolso privado em pesquisa e desenvolvimento em larga escala, sem que para isso seja necessário o insumo de recursos de um grande banco de fomento oficial – ou seja, bancado pelo setor privado, pura e simplesmente, na melhor tradição do bom capitalismo de mercado. A resposta é clara: eles simplesmente não virão. Por um óbvio e plausível motivo: o retorno deste tipo de investimento ocorre depois de longos invernos, e para que isso se viabilize é necessário um prognóstico minimamente seguro. Em resumo, um risco alto demais para se criar produtos e invenções únicas em valor agregado, com potencial competitivo global.

Para reforçar faço os seguintes questionamentos: Onde estão as indústrias genuinamente nacionais de automóveis? E a similar para os eletroeletrônicos? Qual foi a última grande invenção nacional no campo científico ou tecnológico com aplicação econômica direta?

Entenda o leitor de que não se trata de pessimismo, ou de ausência de crença na própria terra, e menos de aversão as indústrias estrangeiras aqui instaladas via tecnologia importada (Essas sempre bem vindas), mas de enfrentamento dos fatos.

Precisamos de ajustes e de reformas, sim, mas de caráter definitivo, beneficiando de uma vez por todas o processo produtivo e de geração de riqueza. O improviso pode apoiar circunstancialmente, mas como sabemos, não resolve o problema central.

Nós da Pyme Finanças Corporativas não podemos ler o futuro, mas podemos planeja-lo para você. Entre em contato conosco pelos nossos canais de comunicação;

Pyme

Pyme Web System

Consultor Online

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *